Free Porn
xbporn
- Publicidade -

Bibliotecas de Poços têm ações especiais para o carnaval

divulgação

A festa mais popular da cultura brasileira tem espaço nas bibliotecas com obras que unem ficção e história, tendo como pano de fundo ou objeto de estudo a “festa do divino carnaval”. Ler também é uma boa opção para quem quer ficar em casa nos quatro dias de folia.
Para incentivar a leitura e colocar todo mundo no clima, as bibliotecas públicas de Poços de Caldas estão com ações especiais para o carnaval. Na Biblioteca Centenário, no Espaço Cultural da Urca, a exposição “Carnaval brasileiro” traz livros e revistas sobre o tema. Já na biblioteca do Centro de Artes e Esportes Unificado, o CEU da zona leste, oficina de desenho e exposição marcam as festividades.
Neste ano, a exposição na Biblioteca Centenário tem como destaque o “Livro de Ouro do Carnaval Brasileiro”, de Felipe Ferreira, um dos pesquisadores mais importantes da cultura popular brasileira. Na obra, o autor traça um perfil contemporâneo do carnaval brasileiro, que explica desde a origem da festa até os diversos “carnavais”, com escolas de samba, grupos de frevo e trios elétricos.
Também na exposição, “O crime do restaurante chinês – Carnaval, futebol e justiça na São Paulo dos anos 30”. São Paulo, Quarta-feira de Cinzas de 1938. Ho-Fung e Maria Akiau, donos de um restaurante chinês, aparecem brutalmente assassinados, junto com duas outras vítimas, seus empregados. O suspeito é um jovem negro. Será este um romance policial? Ou trata-se de um livro de história do Brasil? Em O crime do restaurante chinês, o historiador Boris Fausto recorre aos arquivos da história e da memória pessoal para narrar e analisar um dos acontecimentos policiais que mais mobilizaram a opinião pública paulistana.
Publicações sobre o carnaval de Poços de Caldas também estão disponíveis para consulta dos frequentadores da Biblioteca Centenário, como exemplares da revista poços-caldense Seleções Carnavalescas, dos anos de 1970 e 1980, contendo letras de marchas e sambas-enredo e registros fotográficos de foliões de Escolas de Samba e blocos locais. A publicação foi criada pelo jornalista Décio Alves de Morais em 1952.

CEU da zona leste
Já no Centro de Artes e Esportes Unificado os frequentadores da biblioteca e os participantes do grupo de convivência de idosos puderam desenvolver a criatividade por meio de desenhos, durante os meses de janeiro e início de fevereiro.
O resultado das oficinas pode ser conferido numa grande exposição no local, com destaque para as máscaras carnavalescas. “Os vidros da biblioteca estão cheios de desenhos feitos e coloridos pelas crianças, jovens, adultos e idosos”, conta a auxiliar de biblioteca Denise Luiza Pereira.

Veja também